Tópico 3 Como escrever o CV e cartas de apresentação, dicas sobre candidaturas a empregos, processo de validação de diplomas anteriores

Algumas empresas multinacionais e empresas sediadas em Portugal utilizam o inglês como língua de trabalho e aceitam CV em línguas estrangeiras, mas nem sempre tal acontece. Para obter os melhores resultados, deve estar preparado para criar uma versão do seu documento na língua portuguesa propriamente dita.

Isto não será um grande problema se já possuir um nível elevado na língua. No entanto, se o seu nível de português falado e escrito for mais básico, poderá adotar uma abordagem diferente.

Evite a tentação de utilizar o Google tradutor ou outras ferramentas relacionadas para fazer o trabalho. Se está realmente empenhado na procura de emprego num país estrangeiro, é melhor usar um método um pouco mais completo para escrever o seu currículo em português. Uma abordagem é contratar um tradutor profissional para fazer o trabalho por si, apesar de isto poder ser bastante dispendioso. Uma outra abordagem é utilizar um gerador de currículos com um modelo profissional de currículo português. Isto ajudá-lo-á a escrever corretamente e dar-lhe-á também exemplos da informação e do formato a utilizar para as secções principais.

Comece o currículo com o seu nome como título de cabeçalho. Não o nomeie simplesmente com Curriculum Vitae

Currículos criativos e currículos especialmente elaborados podem parecer surpreendentes, no entanto, a maioria dos gestores contratados em Portugal ou no Brasil preferem um currículo cronológico padrão.

Faça a sua pesquisa antes de se candidatar a um emprego. Tenha uma boa ideia do que é a cultura, os valores e as práticas de trabalho da organização antes de começar. Isto pode oferecer pistas sobre como estruturar o seu currículo e sobre as informações que deve incluir.

Elimine qualquer informação irrelevante que não se aplique ao posto a que se está a candidatar.

Evite a todo o custo erros ortográficos e gramaticais.

Não minta no seu CV.

Ao contrário dos EUA, onde uma única página é o comprimento recomendado para o seu perfil, um currículo português pode estender-se a mais páginas. Por exemplo, um documento de 2-3 páginas de letra não é raro. Quando começar a criar o seu currículo, é melhor começar com uma forte introdução sob a forma de um objetivo ou resumo do currículo. Isto permitir-lhe-á chamar rapidamente a atenção de um recrutador com alguns detalhes-chave sobre si e as suas características mais empregáveis.

Quando se trata de elaborar e formatar o seu documento, assegure-se de manter o texto facilmente legível e o modelo organizado. Sempre que possível tente ser conciso, contudo, não tenha receio de acrescentar um pouco mais de detalhes do que os que poderia acrescentar ao candidatar-se a um emprego nos EUA.

O comprimento do CV não deve ser superior a 3 páginas de letra (21,59cm x 27,94cm);

Mantenha o texto com um tamanho consistente ao longo de todo o documento;

Assinale claramente cada secção com cabeçalhos e subtítulos de maiores dimensões;

Crie o seu documento em PDF para que seja mais fácil de submeter online.

No caso de um currículo otimizado para o mercado de trabalho de língua portuguesa, a sua secção de informação de contacto será conhecida como a sua informação pessoal. Note que a informação pessoal que se inclui num currículo português é bastante diferente da que normalmente incluiria num currículo para um emprego na América.

Ao contrário dos exemplos nos EUA, é bastante comum em países como o Brasil incluir informações pessoais como a sua data de nascimento, estado civil e a sua religião. Alguns destes elementos estão a tornar-se mais opcionais e, no mínimo, apenas uma data de nascimento é um requisito esperado. No entanto, acrescentar esta informação mais pessoal continua a ser geralmente a norma para a maioria das pessoas em Portugal.

A maioria dos candidatos americanos não adiciona foto aos seus currículos, uma vez que 88% dos recrutadores rejeitarão o seu documento. No entanto, nos países de língua portuguesa, as fotografias do perfil são normalmente esperadas pelos empregadores. Agora, isto está a mudar nos últimos tempos e a inclusão de uma fotografia está a tornar-se cada vez menos importante. No entanto, continua a ser prática normal para as pessoas que se candidatam a empregos nestes países.

Se decidir adicionar uma fotografia de perfil, escolha uma fotografia profissional que mostre a sua cabeça e os seus ombros. O seu rosto e os seus traços devem ser claramente decifráveis e, sempre que possível, procurar ter um fundo neutro. O tamanho da fotografia afixada deve ser tipo passaporte (5,1cm x 5,1cm) e colocada no canto superior direito da página.

Na sua experiência profissional terá de dar uma impressão boa e legível da sua história de trabalho até ao momento. Esta deve ser adaptada à posição que pretende e apresentada por ordem cronológica inversa, de modo a que a sua experiência mais recente apareça primeiro. Ao apresentar as suas posições anteriores na página, defina cada entrada no seguinte formato:

  • o nome da empresa e as datas de emprego;
  • o seu cargo na organização;
  • as principais funções que desempenhou no seu papel na empresa.

A sua secção de competências é uma grande oportunidade para dar ao recrutador uma ampla visão geral das suas capacidades. Esta deve ser apresentada como uma lista de pontos e deve incluir tanto as suas competências técnicas como as suas competências transversais. Contudo, embora estas o ajudem nessa tarefa, certifique-se de que essas competências são bem apoiadas com exemplos de como as utilizou na secção de experiência profissional.

A secção de educação pode aparecer um pouco diferente dependendo do país em que se está a candidatar a empregos. Isto deve-se ao facto de os países terem os seus próprios sistemas de educação distintos com nomes diferentes para as qualificações-chave. Isto pode ser visto no quadro abaixo.

Ao detalhar a informação sobre os diplomas que obteve, inclua sempre o curso em que se formou. Além disso, aproveite esta secção para detalhar quaisquer outros estudos que tenha feito em domínios profissionais e quaisquer certificações adicionais.

A secção de idiomas do seu currículo de língua portuguesa é uma característica essencial se for um falante nativo de outra língua. Terá, no mínimo, de indicar a sua fluência na própria língua portuguesa. Como falante de uma língua estrangeira, deverá também indicar o seu nível de capacidade nas outras línguas que também fala. Isto pode ser feito usando os seguintes adjetivos:

  • Fluente
  • Bom
  • Moderado

Isto será necessário quer se esteja a juntar a uma empresa em que a língua predominante é o português quer a uma empresa em que a língua principal falada é o inglês. Isto, claro, é especialmente crucial se estiver a visar uma posição em que terá de comunicar com outros falantes destas línguas.

Escrever uma carta de apresentação

Quando se trata de escrever uma carta de apresentação ou um e-mail para uma vaga de emprego, é essencial que saiba como e o que deverá escrever. Portanto, aqui estão algumas ideias, dicas e expressões que o ajudarão a escrever o seu e-mail formal para uma vaga de emprego:

Certificar-se de que é claro e direto

Ex. Candidato à vaga de secretário, CV para a vaga de TI

Quando souber o nome da pessoa para quem está a enviar o e-mail – Exmo. Sr. João Silva

Quando se sabe que eles são médicos, advogados ou que têm um doutoramento – Exmo. Dr. João Silva (sexo masculino), Exma. Dra. Susana Matos (sexo feminino)

Quando se sabe se é homem ou mulher mas não se sabe o nome – Prezado Senhor / Prezada Senhora

Quando não sabe se está a lidar com um homem ou uma mulher – Prezados Senhores

Comece sempre por referir  por que razão está a escrever o e-mail:

Escrevo para me candidatar ao cargo de Secretário do/da [nome da empresa].

Escreva sobre de si e as suas qualificações, seja conciso e direto. Os textos longos normalmente não são lidos na íntegra, por isso mantenha-se fiel aos pontos principais. Algumas frases úteis a utilizar:

  • Penso que eu seria a escolha certa para fazer parte da equipa da/do [nome da empresa], pois
  • Tenho x anos de experiência nesta área.
  • tive a oportunidade de trabalhar com/como
  • Tenho verdadeira paixão por
  • Acredito que trabalhar em equipa me faz crescer e prosperar
  • Segue em anexo o meu currículo
  • Agradeço desde já a oportunidade
  • Atenciosamente
Photo by Anna Shvets: https://www.pexels.com/photo/woman-in-black-blazer-sitting-on-black-office-chair-3727464/

Reconhecimento de Qualificações Estrangeiras

O reconhecimento académico é o processo pelo qual uma qualificação académica estrangeira é comparada com uma qualificação portuguesa em termos de nível, duração e conteúdo do programa. O reconhecimento profissional é a autorização por uma entidade competente (Ministério, Associação, etc.) para o exercício de uma determinada profissão ou atividade profissional regulamentada.

A equivalência é regulamentada pelo Decreto-Lei n.º 283/84, de 21 de junho, e é o procedimento pelo qual um diploma académico estrangeiro é comparado com um diploma português, relativamente ao nível, duração e conteúdo do programa, sendo também fixada a área científica da equivalência concedida.

O reconhecimento é o procedimento pelo qual uma qualificação académica estrangeira é comparada a uma qualificação portuguesa meramente ao nível e é regido pelo Decreto-Lei n.º 283/83, de 21 de Junho. de Junho.

O registo é um novo regime de reconhecimento de graus académicos estrangeiros, com objetivos e natureza idênticos aos do licenciado, mestre e doutor, conferindo aos seus titulares todos os direitos inerentes a estes graus académicos. Este novo regime de reconhecimento é regido pelo Decreto-Lei n.º 341/2007, datado de 12.Outubro.

Este sistema só é aplicado se o grau académico em questão estiver incluído na lista de graus académicos fixada nas deliberações gerais da Comissão de Reconhecimento de Diplomas Estrangeiros e devidamente publicada na 2ª Série do Diário da República, disponível para consulta em https://wwwcdn.dges.gov.pt/sites/default/files/lista_de_graus_dl341_0.pdf

Se for titular de um grau superior estrangeiro e pretender solicitar a equivalência/reconhecimento, deve dirigir-se a uma Instituição de Ensino Superior portuguesa que ofereça cursos na mesma área ou similares, onde será feita uma avaliação científica da formação apresentada.

Saiba mais em https://www.acm.gov.pt/-/como-obter-reconhecimento-de-qualificacoes-estrangeira-1